Brazilian Journal of Pain
https://brjp.org.br/article/doi/10.5935/2595-0118.20180056
Brazilian Journal of Pain
Original Article

Depressive symptoms in the elderly and its relationship with chronic pain, chronic diseases, sleep quality and physical activity level

Sintomas depressivos em idosos e sua relação com dor crônica, doenças crônicas, qualidade do sono e nível de atividade física

Marcia Regina da Silva; Fátima Ferretti; Samira da Silva Pinto; Odanor Ferretti Tombini Filho

Downloads: 0
Views: 234

Abstract

BACKGROUND AND OBJECTIVES: Depressive symptoms are often experienced by the elderly, being a public health problem. The objective of this study was to verify the relation between depressive symptoms and the presence and intensity of chronic pain with sleep quality and physical activity level.

METHODS: Research with 385 aged residents in a municipality of Santa Catarina. The Morais adapted questionnaire, the numerical visual pain scale, and the International Physical Activity Questionnaire were used to assess the level and volume of physical activity, the Pittsburgh Sleep Quality Index, and the Geriatric Depression Scale. Data analysis by the Mann-Whitney U test, Chi-square (X2) and Spearman’s correlation.

RESULTS: Of the 385 aged evaluated, 30.6% had depressive symptoms. Older people who had depressive symptoms complained more of pain, poor sleep quality and had less physical activity (p=0.001). The X2 values between chronic pain, sleep quality and physical activity level with presence and absence of depression symptoms were 25.078, 27.707 and 9.009, respectively (p<0.05), and the correlation between depressive symptoms and sleep quality was 0.423 (p<0.05).

CONCLUSION: Elderly people with depressive symptoms had a higher intensity of pain, worse quality of sleep and lower intensity of physical activity. There was an association between the presence of chronic pain, level of physical activity and quality of sleep with depression symptoms and moderate correlation between depression symptoms and sleep quality

Keywords

Chronic pain, Depressive symptoms, Elderly, Exercise, Sleep disorders

Resumo

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Os sintomas depressivos são frequentemente vivenciados pelos idosos, constituindo-se um problema de saúde pública. O objetivo deste estudo foi verificar a relação entre sintomas depressivos e a presença e intensidade da dor crônica com a qualidade do sono e o nível de atividade física. MÉTODOS: Pesquisa com 385 idosos residentes em um município catarinense. Utilizou-se o questionário adaptado de Morais, escala visual numérica da dor, questionário Internacional de Atividade Física para avaliação do nível e volume de atividade física, escala de avaliação do índice de qualidade do sono de Pittsburgh e escala de depressão geriátrica. A análise dos dados pelos testes U de Mann-Whitney, Qui-quadrado (X2) e correlação de Spearman.

RESULTADOS: Dos 385 idosos avaliados, 30,6% apresentaram sintomas depressivos. Idosos que apresentaram sintomas depressivos possuíam maior queixa de dor, pior qualidade do sono e menor volume de prática de atividades físicas (p=0,001). Os valores do X2 entre dor crônica, qualidade do sono e nível de atividade física com presença e ausência de sintomas depressivos foram 25,078, 27,707 e 9,009, respectivamente (p<0,05) e a correlação entre sintomas depressivos e qualidade do sono foi de 0,423 (p<0,05).

CONCLUSÃO: Idosos com sintomas depressivos apresentaram maior intensidade da dor, pior qualidade do sono e menor intensidade de atividade física. Houve associação entre a presença de dor crônica, nível de atividade física e qualidade do sono com sintomas depressivos e correlação moderada entre sintomas depressivos e qualidade do sono.

Palavras-chave

Dor crônica, Exercício, Idoso, Sintomas depressivos, Transtornos do sono

References

Küchemann BA. Envelhecimento populacional, cuidado e cidadania: velhos dilemas e novos desafios. Soc Estado. 2012;27(1):165-80.

Veras R. Population aging today: demands, challenges and innovations. Rev Saude Publica. 2009;43(3):548-54.

Depressão é tema de campanha da OMS para o dia mundial da saúde de 2017. 2016.

Polyakova M, Sonnabend N, Sander C, Mergl R, Schroeter ML, Schroeder J. Prevalence of minor depression in elderly persons with and without mild cognitive impairment: a systematic review. J Affect Disord. 2014;152-154:28-38.

Katona C, Livingston G. Impact of screening old people with physical illness for depression?. Lancet. 2000;356(9224):91-2.

Wannmacher L. Abordagem da depressão maior em idosos: medidas não medicamentosas e medicamentosas. 2016;1(1):1-10.

Relatório mundial da saúde. Saúde mental: nova concepção, nova esperança. 2002.

Conheça SC. .

Brucki SM, Nitrini R, Caramelli P, Bertolucci PH, Okamoto IH. Suggestions for utilization of the mini-mental state examination in Brazil. Arq Neuropsiquiatr. 2003;61(3B):777-81.

Morais EP, Rodrigues RA, Gerhardt TE. Os idosos mais velhos no meio rural: realidade de vida e saúde de uma população do interior gaúcho. Texto Contexto Enferm. 2008;17(2):374-83.

Ciena AP, Gatto R, Pacini VC, Picanço VV, Magno IM, Loth EA. Influência da intensidade da dor sobre as respostas nas escalas unidimensionais de mensuração da dor em uma população de idosos e de adultos jovens. Semina: Ciênc Biológ Saúde. 2008;29(2):201-12.

Araujo PB, Sties SW, Wittkopf PG, Schmitt Netto A, Gonzáles AI, Lima DP. Índice da qualidade do sono de Pittsburgh para uso na reabilitação cardiopulmonar e metabólica. Rev Bras Med Esporte. 2015;21(6):472-5.

Mazo GZ, Benedetti TR. Adaptação do questionário internacional de atividade física para idosos. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2010;12(6):480-4.

Apóstolo JL, Loureiro LM, Reis IA, Silva IA, Cardoso DF, Sfetcu R. Contribuição para a adaptação da Geriatric Depression Scale-15 para a língua portuguesa. Rev Enfermagem Referência. 2014;4(3):65-73.

Barbosa AP, Teixeira TG, Orlandi B, Oliveira NT, Concone MH. Nível de atividade física e qualidade de vida: um estudo comparativo entre idosos dos espaços rural e urbano. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2015;18(4):743-54.

Ribeiro CG, Ferretti F, Sá CA. Qualidade de vida em função do nível de atividade física em idosos urbanos e rurais. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2017;20(3):330-9.

Paradela EM, Lourenço RA, Veras RP. Validation of geriatric depression scale in a general outpatient clinic. Rev Saude Publica. 2005;39(6):918-23.

Brown LM, Schinka JA. Development and initial validation of a 15-item informant version of the Geriatric Depression Scale. Int J Geriatr Psychiatry. 2005;20(10):911-8.

Marta IE, Baldan SS, Berton AF, Pavam M, da Silva MJ. The effectiveness of therapeutic touch on pain, depression and sleep in patients with chronic pain: clinical trial. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(4):1100-6.

Pinheiro RC, Uchida RR, Mathias LA, Perez MV, Cordeiro Q. Prevalência de sintomas depressivos e ansiosos em pacientes com dor crônica. J Bras Psiquiatr. 2014;63(3):213-9.

Demyttenaere K, Bruffaerts R, Lee S, Posada-Villa J, Kovess V, Angermeyer MC. Mental disorders among persons with chronic back or neck pain: results from the World Mental Health Surveys. Pain. 2007;129(3):332-42.

Martínez NT, Gómes-Restrepo C, Ramírez S, Rodríguez MN. Prevalence of mood and anxiety disorders on people with chronic conditions. Results from de National Mental Health Survey in Colombia 2015. Rev Colomb Psiquiatr. 2016;45(^sSuppl 1):141-6.

Askari MS, Andrade LH, Filho AC, Silveira CM, Siu E, Wang YP. Dual burden of chronic physical diseases and anxiety/mood disorders among São Paulo Megacity Mental Health Survey Sample, Brazil. J Affect Disord. 2017;220:1-7.

Onder G, Landi F, Gambassi G, Liperoti R, Soldato M, Catananti C. Association between pain and depression among older adults in Europe: results from the Aged in Home Care (AdHOC) project: a cross-sectional study. J Clin Psychiatry. 2005;66(8):982-8.

Yaksh TL, Hammond DL. Peripheral and central substrates involved in the rostrad transmission of nociceptive information. Pain. 1982;13(1):1-85.

Stahl SM. Psicofarmacologia dos antidepressivos. 1997.

Sanders JB, Comijs HC, Bremmer MA, Deeg DJ, Beekman AT. A 13-year prospective cohort study on the effects of aging and frailty on the depression-pain relationship in older adults. Int J Geriatr Psychiatry. 2015;30(7):751-7.

Duarte MB, Rego MA. Depression and clinical illness: comorbidity in a geriatric outpatient clinic. Cad Saude Publica. 2007;23(3):691-700.

Teng CT, Humes EC, Demetrio FN. Depressão e comorbidades clínicas. Rev Psiquiatr Clín. 2005;32(3):149-59.

Boing AF, Melo GR, Boing AC, Moretti-Pires RO, Peres KG, Peres MA. Association between depression and chronic disease: results from a population-based study. Rev Saude Publica. 2012;46(4):617-23.

Lucchesi LM, Hallinan MP, Lucchesi M, Moraes WA. Sleep in psychiatric disorders. Rev Bras Psiquiatr. 2005;27(^sSuppl 1):27-32.

Souza MM, Kaimén Maciel DR, Reimão R. Polysomnographic evaluation of clinical patients suffering from mood disturbance. Arq Neuropsiquiatr. 2003;61(2B):387-91.

Pereira AA, Ceolim MF. Relação entre problemas do sono, desempenho funcional e ocorrência de quedas em idosos da comunidade. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2011;44(4):769-78.

Freire AL, Alves LF, Torres MV, Xavier CL, Gomes JA, Lopes KS. Análise comparativa da qualidade do sono em idosas praticantes e não praticantes de atividade física na zona sul de Teresina (Piauí). Rev Eletrônica Gestão & Saúde. 2014;7(3):3101-14.

Gumarães JM, Caldas CP. A influência da atividade física nos quadros depressivos de pessoas idosas: uma revisão sistemática. Rev Bras Epidemiol. 2006;9(4):481-92.

Guyton A, Hall JE. Tratado de fisiologia médica. 2011.

Powers SK, Howley ET. Fisiologia do exercício: teoria e aplicação ao condicionamento e ao desempenho. 2014.

Valério MP, Ramos LR. Promoção de atividade física à população idosa: revisando possibilidades. Rev Didática Sistêmica. 2013;15(2):155-73.


Submitted date:
05/18/2018

Accepted date:
08/28/2018

5f1f854a0e88251e02dc677a brjp Articles

BrJP

Share this page
Page Sections