Brazilian Journal of Pain
https://brjp.org.br/article/doi/10.5935/2595-0118.20180067
Brazilian Journal of Pain
Review Article

Neonatal pain: knowledge, attitude and practice of the nursing team

Dor neonatal: conhecimento, atitude e prática da equipe de enfermagem

Ana Paula Silva Campos

Downloads: 0
Views: 216

Abstract

BACKGROUND AND OBJECTIVES: Neonates have special peculiarities, and these should be much more widespread in the scientific environment, both for the knowledge of professionals and students, and for the mothers’ help. The objective of this study was to evaluate the knowledge, attitude and practice of the nursing team in management of neonatal pain.

CONTENTS: This is a bibliographical research with a descriptive study conducted from 2013 to 2017, through a survey in the Medline (International Literature in Health Sciences), Scielo (Scientific Electronic Library Online) and LILACS (Latin American Literature in Health Sciences) electronic database. Twenty scientific articles were selected and detailed studied with the purpose of grouping the similar information and verify its particularities to be exposed in categories.

CONCLUSION: There is a need to insert this theme in undergraduate and postgraduate courses and training in maternity units on a continuous basis so that the professional can relate the theory to practice and then offer the best therapy to the newborn and orientations to the mothers.

Keywords

Attitude, Knowledge, Neonatology, Nursing, Pain, Practice

Resumo

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Os neonatos possuem particularidades especiais e estas devem ser bem mais difundidas no meio científico, tanto para conhecimento dos profissionais e estudantes, quanto para auxílio das mães. O objetivo deste estudo foi avaliar o conhecimento, atitude e prática da equipe de enfermagem diante do manuseio da dor neonatal.

CONTEÚDO: Trata-se de uma pesquisa bibliográfica com estudo descritivo, no período de 2013 a 2017, através de um levantamento em base de dados eletrônicos da Medline (Literatura Internacional em Ciências da Saúde), Scielo (Scientific Electronic Library Online) e LILACS (Literatura Latino Americana em Ciências da Saúde). Foram selecionados 20 artigos científicos, os quais passaram por um estudo minucioso a fim de agrupar os dados semelhantes e verificar suas particularidades, para assim serem expostos em categorias.

CONCLUSÃO: Há a necessidade de inserção dessa temática nos cursos de graduação, pós-graduação e treinamentos e capacitações nas maternidades de forma contínua, a fim de que o profissional consiga relacionar a teoria à prática e oferecer então a melhor terapêutica ao recém-nascido e orientações às mães.

Palavras-chave

Atitude, Conhecimento Dor, Enfermagem, Neonatologia, Prática

References

Merskey H, Albe-Fessard DG, Bonic JJ. Pain terms: a list with definitions and notes on usage. Recommended by the International Association for Study of Pain (IASP) Subcommittee on Taxonomy. Pain. 1979;6(3):249-52.

Blackburn S. Environmental impact of the NICU on developmental outcomes. J Pediatr Nurs. 1998;13(5):279-89.

Guinsburg R. Assessing and treating pain in the newborn. J Pediatr. 1999;75(3):149-60.

Anand KJ, Craig KD. New perspectives on definition of pain. Pain. 1996;67(1):3-6.

Sousa BB, Santos MH, Sousa FG, Ferrario AP, Paiva SS. Avaliação da dor como instrumento para o cuidar de recém-nascidos pré-termo. Texto Contexto Enferm. 2006;15(Esp):88-96.

Souto SP. A dor no recém-nascido: o desafio da avaliação. Nursing. 2008:233.

Parras C. Dor no recém-nascido. 2002.

Lockridge T. Following the learning curve: the evolution of kinder, gentler neonatal respiratory technology. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 1999;28(4):443-55.

Kazanowski MK, Laccetti MS. Intervenções para alívio da dor. Dor: Fundamentos, abordagem clínica e tratamento. 2005.

Mendes LC, Fontenele FC, Dodt RC, Almeida LS, Cardoso MV, Silva CB. A dor no recém-nascido na unidade de terapia intensiva neonatal Rev Enferm UFPE online. Recife. 2013;7(11):6446-54.

Alves FB, Fialho FA, Dias IM, Amorim TM, Salvador M. Dor neonatal: a percepção da equipe de enfermagem na unidade de terapia intensiva neonatal. Revista Cuidarte. 2013;1(4):510-5.

Wieckzorkievicz AM, Maia ED, Lamin S, Alcantara SB. Percepção do enfermeiro em relação à utilização de escalas de avaliação de dor em recém-nascidos. Saúde Meio Ambient. 2013;2(2):20-31.

Caetano EA, Lemos NR, Cordeiro SM, Pereira FM, Moreira DS, Marques SM. O recém-nascido com dor: atuação da equipe de enfermagem. Esc Anna Nery. 2013;17(3):439-45.

Rosário SS, Fernandes AP, Araújo CS, Paiva WW, Batista FW, Monteiro AI. Assistência de enfermagem ao recém-nascido com dor em uma unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Enferm UFPE. 2014;8(^sSuppl 1):2382-9.

Capellini VK, Daré MF, Castral TC, Christoffel MM, Leite AM, Scochi CG. Conhecimento e atitudes de profissionais de saúde sobre avaliação e manejo da dor neonatal. Rev Eletr Enf. 2014;16(2):361-9.

Amaral JB, Resende TA, Contim D, Barichello E. Equipe de enfermagem diante da dor do recém-nascido pré-termo. Esc Anna Nery. 2014;18(2):241-6.

Cordeiro RA, Costa R. Métodos não farmacológicos para alívio do desconforto e da dor no recém-nascido: uma construção coletiva da enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2014;23(1):185-92.

Ribeiro LF, Xavier GN, Kairala AL, Oliveira MS. A utilização da terapia aquática como método de redução da dor em UTI neonatal (relato de caso). 2015:19-22.

Leite AM, Silva AC, Castral TC, Nascimento LC, Sousa MI, Scochi CG. Amamentação e contato pele-a-pele no alívio da dor em recém-nascidos na vacina contra hepatite B. Rev Eletr Enf. 2015;17(3):1-8.

Blasi DG, Candido LK, Tacla MT, Ferrari RA. Avaliação e manejo da dor na criança: percepção da equipe de enfermagem. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina. 2015;36(1^sSuppl):301-10.

Araujo GC, Miranda JO, Santos DV, Camargo CL, Nascimento Sobrinho CL. Dor em recém-nascidos: identificação, avaliação e intervenções. Rev Baiana Enfermagem. 2015;29(3):261-70.

Monfrim XM, Saraiva LA, Moraes CL, Viegas AC. Escala de avaliação da dor: percepção dos enfermeiros em uma unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Enferm UFSM. 2015;5(1):12-22.

Costa T, Rossato LM, Bueno M, Secco IL, Sposito NP, Harisson D. Conhecimento e práticas de enfermeiros acerca do manejo da dor em recém-nascidos. Rev Esc Enferm USP. 2017;51.

Soares AC, Caminha MF, Coutinho AC, Ventura CM. Dor em unidade neonatal: conhecimento, atitude e prática da equipe de enfermagem. Cogitare Enferm. 2016;21(2):1-10.

Rodrigues JB, Souza DS, Werneck AL. Identificação e avaliação da percepção dos profissionais de enfermagem em relação a dor/desconforto do recém-nascido. Arq Ciênc Saúde. 2016;23(1):27-31.

da Costa KF, Alves VH, Dames LJ, Rodrigues DP, Barbosa MT, Rosa MT. Manejo clínico da dor no recém-nascido: percepção de enfermeiros da unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Pesq Cuid Fundamental. 2016;8(1):3758-69.

Martins SW, Enumo SR, Paula KM. Manejo da dor neonatal: influência de fatores psicológicos e organizacionais. Estud Psicol. 2016;33(4):633-44.

Christoffel MM, Castra TC, Daré MF, Montanholi LL, Gomes AL, Scochi CG. Atitudes dos profissionais de saúde na avaliação e tratamento da dor neonatal. Esc Anna Nery. 2017;21(1).

Sposito NP, Rossato LM, Bueno M, Kimura AF, Costa T, Guedes DM. Assessment and management of pain in newborns hospitalized in a Neonatal Intensive Care Unit: a cross-sectional study. Rev Lat Am Enfermagem. 2017;25.


Submitted date:
05/25/2018

Accepted date:
09/17/2018

5f1f8c2a0e88255823dc6779 brjp Articles

BrJP

Share this page
Page Sections