Brazilian Journal of Pain
https://brjp.org.br/article/doi/10.5935/2595-0118.20190026
Brazilian Journal of Pain
Original Article

Non-pharmacological measures for pain relief in venipuncture in newborns: description of behavioral and physiological responses

Medidas não farmacológicas para alívio da dor na punção venosa em recém-nascidos: descrição das respostas comportamentais e fisiológicas

Priscila Pereira de Souza Gomes; Ana Paola de Araújo Lopes; Maria Solange Nogueira dos Santos; Silvania Moreira de Abreu Façanha; Ana Valeska Siebra e Silva; Edna Maria Camelo Chaves

Downloads: 0
Views: 210

Abstract

BACKGROUND AND OBJECTIVES: Venipuncture is considered a painful procedure, often performed in the neonatal intensive care unit. The objective of this study is to describe the behavioral and physiological responses of newborns undergoing venipuncture, with and without the use of non-pharmacological measures for the relief of pain.

METHODS: A total of 84 newborns participated in this research. It was observed if the nurse prepared the newborn for the puncture. Newborns that did not receive the non-pharmacological approach were allocated in group 1, and those who received were to group 2. The behavioral and physiological parameters were assessed two minutes before and two minutes after the procedure in all newborns. The data analysis was descriptive.

RESULTS: Before the procedure, 45.5% of the newborns in group 1 had a contracted face; however, after the procedure, this number increased to 69.7%. After the procedure in group 2, 29.4% grumbled, 3.9% had a vigorous cry, 66.7% did not cry. Arms and legs movement had similar responses in both groups. After the procedure, 72.7% of newborns in group 1 had a heart rate higher than 160bpm. After the procedure in group 1, 15.2% had an oxygen saturation between 96 and 100% and this value increase to 58.8% in group 2.

CONCLUSION: The behavioral and physiological responses presented by the newborns are altered when babies undergo venipuncture without the use of measures for the relief of pain, the most common being: contracted face; grumbling; arms and legs flexed/extended; tachycardia; and hyposaturation.

Keywords

Neonatal intensive care units, Newborn, Pain, Peripheral catheterization

Resumo

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: A punção venosa é considerada um procedimento doloroso, realizado com frequência na unidade de terapia intensiva neonatal. O objetivo deste estudo foi descrever as respostas comportamentais e fisiológicas de recém-nascidos submetidos à punção venosa, com e sem a utilização de medidas não farmacológicas para alívio da dor.

MÉTODOS: Participaram da pesquisa 84 recém-nascidos. Foi observado se o profissional de enfermagem realizava o preparo do recém-nascido para a punção. Os recém-nascidos que não receberam medida não farmacológica foram alocados no grupo 1 e os que receberam foram para o grupo 2. Foram avaliados os parâmetros comportamentais e fisiológicos dois minutos antes e dois minutos após o procedimento em todos os recém-nascidos. A análise dos dados ocorreu de forma descritiva.

RESULTADOS: Antes do procedimento, 45,5% dos recém-nascidos no grupo 1 apresentavam a face contraída, entretanto, após o procedimento, esse número aumentou para 69,7%. Depois do procedimento no grupo 2, 29,4% resmungaram, 3,9% tiveram choro vigoroso e em 66,7% o choro ficou ausente. Os movimentos de braços e pernas apresentaram respostas semelhantes nos dois grupos. Após o procedimento, 72,7% do grupo 1 apresentaram frequência cardíaca maior que 160bpm. Após o procedimento no grupo 1, 15,2% apresentaram saturação de oxigênio entre 96 e 100%, já no grupo 2, esse valor aumentou para 58,8%.

CONCLUSÃO: As respostas comportamentais e fisiológicas apresentadas pelos recém-nascidos sofrem maiores alterações quando os bebês são submetidos à punção venosa sem o uso de medidas para alívio da dor, sendo as mais presentes: face contraída; resmungos; braços e pernas fletidos/estendidos; taquicardia e hipossaturação.

Palavras-chave

Cateterismo periférico, Dor, Recém-nascido, Unidades de terapia intensiva neonatal

References

Pain terms: a list with definitions and notes on usage. Recommended by the IASP Subcommittee on Taxonomy. Pain. 1979;6(3):249-52.

Krishnan L. Pain relief in neonates. J Neonatal Surg. 2013;2(2):19.

Araújo LC, Romero B. Dor: avaliação do 5º sinal vital. Uma reflexão teórica. Rev Dor. 2015;16(4):291-6.

Costa KF, Alves VH, Dames LJ, Rodrigues DP, Barbosa MT, Souza RR. Clinical management of pain in the newborn: perception of nurses from the neonatal intensive care unit. J Res Fundam Care. 2016;8(1):3758-69.

Christoffel MM, Castral TC, Daré MF, Montanholi LL, Gomes AL, Scochi CG. Atitudes dos profissionais de saúde na avaliação e tratamento da dor neonatal. Esc Anna Nery. 2017;21(1):1-8.

Oliveira RM, Silva AV, Silva LM, Silva AP, Chaves EM, Bezerra SC. Implementação de medidas para o alívio da dor em neonatos pela equipe de enfermagem. Esc Anna Nery. 2011;15(2):277-83.

Amaral JB, Resende TA, Contim D, Barichello E. Equipe de enfermagem diante da dor do recém-nascido pré-termo. Esc Anna Nery. 2014;18(2):241-6.

Atenção à Saúde do Recém-nascido: guias para o profissional de saúde. 2011.

Morais AP, Façanha SM, Rabelo SN, Silva AV, Queiroz MV, Chaves EM. Medidas não farmacológicas no manejo da dor em recém-nascidos: cuidado de enfermagem. Rev Rene. 2016;17(3):435-42.

Querido DL, Christoffel MM, Almeida VS, Esteves AP, Andrade M, Amim Junior J. Fluxograma assistencial para manejo da dor em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Rev Bras Enferm. 2018;71(^sSuppl3):1360-9.

Leite AM, Silva AC, Castral TC, Nascimento LC, Sousa MI, Scohi CG. Amamentação e contato pele-a-pele no alívio da dor em recém-nascidos na vacina contra hepatite B. Rev Eletr Enf. 2015;17(3):1-8.

Cruz CT, Gomes JS, Kirchner RM, Stumm EM. Evaluation of pain of neonates during invasive procedures in intensive care. Rev Dor. 2016;17(3):197-200.

Morais AP, Dodt RC, Farias LM, Melo GM, Muniz Filha MJ, Chaves EM. Dimensionamento da dor em recém-nascido durante punção venosa periférica e capilar. Rev Enferm UFPE. 2013;7(2):511-7.

Costa P, Bueno M, Oliva CL, Elci de Castro T, Ponce de Camargo P, Kimura AF. Analgesia and sedation during placement of peripherally inserted central catheters in neonates. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(4):801-7.

Efe E, Savaser S. The effect of two different methods used during peripheral venous blood collection on pain reduction in neonates. Agri. 2007;19(2):49-56.

Santos GC, Lima LM, Oliveira GB, Souza AR, Freitas VS. Intervenção de Enfermagem no controle da dor em neonato: eficácia de ações não farmacológicas. Rev Enferm UFPE. 2015;9(8):8784-91.

Araújo GC, Miranda JO, Santos DV, Camargo CL, Sobrinho CL, Rosa DO. Dor em recém-nascidos: identificação, avaliação e intervenções. Rev Baiana Enferm. 2015;29(3):261-70.

Santos LM, Silva TP, Santana RC, Matos KK. Sinais sugestivos de dor durante a punção venosa periférica em prematuros. Rev Enferm UFSM. 2012;2(1):1-9.

Santos LM, Ribeiro IS, Santana RC. Identificação e tratamento da dor no recém-nascido prematuro na Unidade de Terapia Intensiva. Rev Bras Enferm. 2012;65(2):269-75.

Costa LC, Souza MG, Sena EM, Mascarenhas ML, Moreira RT, Lúcio IM. Utilização de medidas não farmacológicas pela equipe de enfermagem para alívio da dor neonatal. Rev Enferm UFPE. 2016;10(7):2395-403.


Submitted date:
08/22/2018

Accepted date:
03/22/2019

5f21d31c0e8825ff14e56d7d brjp Articles

BrJP

Share this page
Page Sections