Brazilian Journal of Pain
https://brjp.org.br/article/doi/10.5935/2595-0118.20190041
Brazilian Journal of Pain
Original Article

Pain as the fifth vital sign: nurse's practices and challenges in a neonatal intensive unit care

A dor como quinto sinal vital: práticas e desafios do enfermeiro em uma unidade de terapia

Marcela Milrea Araújo Barros; Bruna Viana Scheffer Luiz; Claice Vieira Mathias

Downloads: 0
Views: 222

Abstract

BACKGROUND AND OBJECTIVES: The importance of recognizing how the nurse acts in the identification, assessment, treatment, and relief of pain since the newborn is not able to express it orally. The objective of this study was to identify the practices and challenges of the nurse in the assessment and treatment of pain in newborns of a neonatal intensive care unit of a reference hospital in the western region of the Brazilian Amazon.

METHODS: A descriptive, field-based, qualitative approach was chosen. Eleven nurses participated in the study, starting with an interview, following a semi-structured script. The content analysis method was used for data analysis.

RESULTS: The participants do not recognize the term “fifth vital sign” in the evaluation of pain, but they believe in the ability of the newborn to feel pain, identifying it mainly by the cry and facial expression. Among the procedures considered most painful are punctures and aspiration. Nurturing and non-nutritive sucking are among the actions most indicated to prevent and relieve pain.

CONCLUSION: We suggest the implementation of protocols, standards, and routines for the assessment and quantification of pain since when not assessed, it can prolong the hospitalization time. The perception of the nurse in the identification of pain signs in a systematized manner, promotes quality and humanized care, and reduces injuries.

Keywords

Newborn, Nurse, Pain

Resumo

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: A importância de se reconhecer como o enfermeiro atua na identificação, avaliação, tratamento e alívio da dor, uma vez que o recém-nascido não é capaz de expressá-la verbalizando. O objetivo deste estudo foi identificar as práticas e desafios do enfermeiro na avaliação e tratamento da dor em recém-nascidos de uma unidade de terapia intensiva neonatal de um hospital de referência na região ocidental da Amazônia brasileira.

MÉTODOS: Optou-se por uma pesquisa descritiva, de campo, com abordagem qualitativa. Participaram do estudo 11 enfermeiros, a partir de entrevista, seguindo roteiro semiestruturado. Para análise de dados utilizou-se o método análise de conteúdo.

RESULTADOS: Os participantes não reconhecem o termo “quinto sinal vital” na avaliação da dor, contudo acreditam na capacidade do recém-nascido sentir dor, identificando-a, principalmente pelo choro e expressão facial. Dentre os procedimentos considerados mais dolorosos destacam-se as punções e a aspiração. Dentre as ações mais apontadas para prevenção e alívio da dor inclui-se o aninhamento e a sucção não nutritiva.

CONCLUSÃO: Sugere-se a implantação de protocolos, normas e rotinas para avaliação e quantificação da dor, visto que quando não avaliada, pode prolongar o tempo de internação. A percepção do enfermeiro na identificação dos sinais álgicos de maneira sistematizada, promove um atendimento de qualidade, humanizado e redução de lesões.

Palavras-chave

Dor, Enfermeiro, Recém-nascido

References

Santos LM, Pereira MP, dos Santos LF, de Santana RC. Pain assessment in the premature newborn in Intensive Care Unit. Rev Bras Enferm. 2012;65(1):27-33.

Falcão AC, Sousa AL, Stival MM, Lima LR. Abordagem terapêutica da dor em neonatos sob cuidados intensivos: uma breve revisão. R Enferm Cent O Min. 2012;2(1):108-23.

Alves CO, Duarte ED, Azevedo VM, Nascimento GR, Tavares TS. Emprego de soluções adocicadas no alívio da dor neonatal em recém-nascido premature: uma revisão integrativa. Rev Gaúcha Enferm. 2011;32(4):788-96.

Aquino FM, Christoffel MM. Dor neonatal: medidas não-farmacológicas utilizadas pela equipe de enfermagem. Rev Rene. 2010;11(n. esp):169-77.

Lemos NR, Caetano EA, Marques SM, Moreira DS. Manejo de dor no recém-nascido: revisão de literatura. Rev Enferm UFPE. 2010;4(esp):972-9.

Bottega FH, Benetti ER, Benetti PE, Gomes JS, Stumm EM. Evaluation of pain in neonates and children in intensive care. J Res Fundam Care. 2014;6(3):909-17.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 2015.

Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde / Ministério da Saúde. 2014;2.

Nascimento LA, Kreling MC. Avaliação da dor como quinto sinal vital: opinião de profissionais de enfermagem. Acta Paul Enferm. 2011;24(1):50-4.

Ribeiro NC, Barreto SC, Hora EC, de Sousa RM. The nurse providing care to trauma victims in pain: the fifth vital sign. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(1):146-52.

Queiróz DT, Carvalho MA, Carvalho GD, Santos SR, Moreira AS, Silveira MF. Dor - 5º sinal vital: conhecimento de enfermeiros. Rev Enferm UFPE. 2015;9(4):7186-92.

Bottega FH, Fontana RT. A dor como quinto sinal vital: utilização da escala de avaliação por enfermeiros de um hospital geral. Texto Contexto Enferm. 2010;19(2):283-90.

Silva PC, Marinho EF, Santos LO. A percepção dos profissionais de saúde sobre a dor em prematuros. Rev Diálogos & Ciência. 2016;16(36):39-51.

Rodrigues JB, Barbosa DS, Werneck AL. Identificação e avaliação da percepção dos profissionais de enfermagem em relação a dor/desconforto do recém-nascido. Arq Ciênc Saúde. 2016;23(1):27-31.

Oliveira RM, Siebra e Silva AV, Chaves EM, Sales NC. Avaliação comportamental e fisiológica da dor em recém-nascidos pelos profissionais de enfermagem. REME - Rev Min Enferm. 2010;14(1):19-24.

Martins SW, Dias FS, Enumo SR, Paula KM. Avaliação e controle da dor por enfermeiras de uma unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Dor. 2013;14(1):21-6.

Costa R, Cordeiro R. Desconforto e dor em recém-nascido: reflexões da enfermagem neonatal. Rev Enferm UERJ. 2016;24(1).

Duarte SR, Nunes AP, Carvalho CS, Paiva WW, Barbosa FW, Monteiro AI. Assistência de enfermagem ao recém-nascido com dor em uma unidade de terapia intensiva neonatal. J Nurs UFPE. 2014;9(7):2382-9.

Presbytero R, Costa ML, Santos RC. Os enfermeiros da unidade neonatal frente ao recém-nascido com dor. Rev Rene. 2010;11(1):125-32.

Mendes LC, Fontenele FC, Dodt RC, Almeida LS, Cardoso MV, Silva CB. A dor no recém-nascido na unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Enferm UFPE. 2013;7(11):6446-54.

Gaíva MA, Silva FB, Azevedo FM, Rubira EA. Procedimentos dolorosos em recém-nascidos prematuros em unidade terapia intensiva neonatal. Arq Ciênc Saúde. 2014;21(1):48-54.

Kegler JJ, Paula CC, Neves ET, Jantsch LB. Manejo da dor na utilização do cateter central de inserção periférica em neonatos. Esc Anna Nery. 2016;20(4).

Balbino AC, Cardoso MV, Silva RC, Moraes KM. Recém-nascido pré-termo: respostas comportamentais ao manuseio da equipe de enfermagem. Rev Enferm UERJ. 2012;20(5):615-20.

Silva YP, Gomez RS, Máximo TA, Silva AC. Avaliação da dor em neonatologia. Rev Bras Anestesiol. 2007;57(5):565-74.

Veronez M, Corrêa DA. A dor e o recém-nascido de risco: percepção dos profissionais de enfermagem. Cogitare Enferm. 2010;15(2):263-70.

Oliveira CW, Silva JV, Rodrigues AP, Xavier Júnior FS, Tenório GM. Intervenções não farmacológicas no alívio da dor em unidade de terapia intensiva neonatal. Ciências Biológicas e da Saúde. 2016;3(2):123-34.

Christoffel MM, Castral TC, Daré MF, Montanholi LL, Gomes AL, Scochi CG. Atitudes dos profissionais de saúde na avaliação e tratamento da dor neonatal. Esc Anna Nery. 2017;21(1).


Submitted date:
01/11/2019

Accepted date:
06/28/2019

5f2483260e88257f6fe56d7d brjp Articles

BrJP

Share this page
Page Sections