Brazilian Journal of Pain
https://brjp.org.br/article/doi/10.5935/2595-0118.20190058
Brazilian Journal of Pain
Original Article

Pain: the impulse in the search for health by means of integrative and complementary practices

Dor: o impulso na busca pela saúde por meio de práticas integrativas e complementares

Miraíra Noal Manfroi; Priscila Mari dos Santos Correia; Wihanna Cardozo de Castro Franzoni; Letícia Baldasso Moraes; Francine Stein; Alcyane Marinho

Downloads: 0
Views: 197

Abstract

BACKGROUND AND OBJECTIVES: This study investigated the relations between the playful component and the process of rehabilitation, treatment, and promotion of health in the context of a group that treats the pain, located in Florianópolis (Brazil).

METHODS: The research followed a qualitative approach, a descriptive-exploratory field research. A matrix-guided systematic observation was conducted for two months by the group leader, two volunteers and about 15 participants. A field diary was used to register complementary information. Besides two semi-structured interview guides were used, applied to four members and the person responsible for the group after the two-month observational period. The data were organized and analyzed in three topics: “Characterization of the investigated group and dynamics of the meetings,” “The group as healing potential” and “Lian Gong/Qi Gong as a possibility to look at the pain.”

RESULTS: The participants pointed out that working on Lian Gong/Qi Gong, meditation and auriculotherapy contemplating the playful component the group becomes a place of recognition of each one’s pain subjectivity, by the individual that suffers and by the collective, which has fostered the recovery of specific pain and good sensations to those involved, such as happiness, enthusiasm and pleasure.

CONCLUSION: The creation of the group and people’s engagement has decreased the number of specific requests for physiotherapy sessions and provided greater autonomy to the participants to handle their own pain.

Keywords

Group, Lian Gong/Qi Gong, Pain, Recreational

Resumo

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Este estudo investigou as relações estabelecidas entre o componente lúdico e o processo de reabilitação, tratamento e promoção da saúde no contexto de um grupo que trata da dor, localizado em Florianópolis (SC).

MÉTODOS: A pesquisa seguiu uma abordagem qualitativa, tendo sido realizada por meio de uma investigação de campo, configurando-se como descritivo-exploratória. Foi realizada observação sistemática, durante dois meses, guiada por uma matriz, envolvendo a responsável pelo grupo, duas voluntárias e cerca de 15 integrantes. Para o registro de informações complementares, utilizou-se um diário de campo. Além disso, foram utilizados dois roteiros de entrevistas semiestruturadas, aplicados com quatro integrantes e com a responsável pelo grupo, ao final do período dos dois meses de observações. Os dados foram organizados e analisados em três tópicos: “Caracterização do grupo investigado e dinâmica dos encontros”, “O grupo como potencial de cura” e “Lian Gong/Qi Gong como uma possibilidade de olhar para a dor”.

RESULTADOS: Os participantes indicaram que ao trabalhar Lian Gong/Qi Gong, meditação e auriculoterapia, contemplando o elemento lúdico, o grupo tornou-se um local de reconhecimento da subjetividade da dor de cada um, pelo indivíduo que sentia e pelo coletivo, gerando melhoras nas dores específicas e trazendo boas sensações aos que estão envolvidos, como alegria, entusiasmo e prazer.

CONCLUSÃO: A criação do grupo e o engajamento das pessoas diminuiu o número de pedidos específicos de sessões de fisioterapia e proporcionou maior autonomia do participante em atender a sua própria dor.

Palavras-chave

Dor, Grupo, Lian Gong/Qi Gong, Lúdico

References

Silva JA, Ribeiro-Filho NP. A dor como um problema psicofísico. Rev Dor. 2011;12(2):138-51.

Frutuoso JT, Cruz RM. Relato verbal na avaliação psicológica da dor. Rev Psicol. 2004;3(2):107-14.

Le Breton D. Compreender a dor: um estudo sobre a relação do homem com a dor física em diversos tempos e em diversas culturas. 2007.

Ruviaro LF, Filippin LI. Prevalência de dor crônica em uma unidade básica de saúde de cidade de médio porte. Rev Dor. 2012;13(2):128-31.

Cipriano A, Almeida DB, Vall J. Perfil do paciente com dor crônica atendido em um ambulatório de dor de uma grande cidade do sul do Brasil. Rev Dor. 2011;12(4):297-300.

Sá K, Baptista AF, Matos MA, Lessa I. Prevalence of chronic pain and associated factors in the population of Salvador, Bahia. Rev Saude Publica. 2009;43(4):622-30.

Deslandes SF. Análise do discurso oficial sobre a humanização da assistência hospitalar. Ciênc Saúde Coletiva. 2004;9(1):7-14.

Silva VC. Humanização hospitalar: um olhar sobre as políticas públicas de saúde no Brasil (2002-2006). 2006.

Política Nacional de Promoção da Saúde: revisão da Portaria MS/GM nº 687, de 30 de março de 2006. 2015.

Barros NF. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: uma ação de inclusão. Ciên Saúde Coletiva. 2006;11(3):850.

Huizinga J. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. 1971.

Santos SG, Moretti-Pires RO. Métodos e técnicas de pesquisa qualitativa aplicada à Educação Física. 2012.

Thomas JR, Nelson JK. Métodos de Pesquisa em Atividade Física. 2012.

Toye F, Seers K. Including qualitative research in pain education. 2018.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 2002.

Severino AJM. Metodologia do trabalho científico. 1992.

Creswell JW. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. 2014.

Livramento G, Franco T, Livramento A. A ginástica terapêutica e preventiva chinesa Lian Gong/Qi Gong como um dos instrumentos na prevenção e reabilitação da LER/DORT. Rev Bras Saúde Ocup. 2010;35(121):74-86.

Mendes LR, Broca PV, Ferreira MA. A leitura mediada como estratégia de cuidado lúdico: contribuição ao campo da enfermagem fundamental. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2009;13(3):530-6.

Mussa C, Malerbi FE. O impacto da atividade lúdica sobre o bem-estar de crianças hospitalizadas. Psicologia Teoria e Prática. 2008;10(2):83-93.

Schveitzer MC, Zoboli EL. Role of complementary therapies in the understanding of primary healthcare professionals: a systematic review. Rev Esc Enferm USP. 2014;48(Spec no).

Pereira RD, Silva WW, Ramos JC, Alvim NA, Pereira CD, Rocha TR. Práticas integrativas e complementares de saúde: revisão integrativa sobre medidas não farmacológicas à dor oncológica. Rev Enferm UFPE. 2014;9(2):710-7.

Silva AA, Amaral AP, Almeida FR, Lima MA. Percepção da utilização da auriculoterapia por profissionais de saúde de uma unidade de saúde da família do Recife: um estudo qualitativo. Rev Rios Saúde. 2018;1(7):69-78.


Submitted date:
01/16/2019

Accepted date:
09/17/2019

5f248ba60e88251114e56d7d brjp Articles

BrJP

Share this page
Page Sections