Brazilian Journal of Pain
https://brjp.org.br/article/doi/10.5935/2595-0118.20220007
Brazilian Journal of Pain
Original Article

Social representations of nursing professionals on pain assessment in pediatric oncology patients

Representações sociais dos profissionais de enfermagem sobre a avaliação da dor na criança oncológica

Martins Rodrigues de Sousa; Edna Maria Camelo Chaves; Ana Raquel Bezerra Saraiva Tavares

Downloads: 0
Views: 102

Abstract

BACKGROUND AND OBJECTIVES: As pain is subjective, a personal and unique experience, professionals cannot ignore it or even underestimate it, especially thinking about the pediatric cancer patient. The objective was to apprehend the social representations of the nursing technicians on pain assessment in oncological children.

METHODS: Qualitative research, based on the Representation Theory. Collection was carried out in the pediatric oncology care sector in March 2017.

RESULTS: Six nursing technicians participated in the study, their speeches were grouped through a thematic categorization, namely: category 1. Pain perception in pediatric cancer patients, with two subcategories (pain assessment methods and institutional protocol for pain assessment) and category 2: Difficulties in applying the pain assessment method.

CONCLUSION: Pain assessment of pediatric oncology patients is limited by nursing professionals, who perform it empirically or even through touching and observing face changes. Without a standardized and validated measurement instrument, this assessment may not be reliable, even though it’s understandable that this is partly due to the process of adapting to the social reality that was established in the care system.

Keywords

Cancer pain, Nursing care, Oncology nursing, Pain measurement

Resumo

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Por ser a dor algo subjetivo, uma experiência pessoal e única, os profissionais não podem ignorá-la ou mesmo subestimá-la, ainda mais pensando na criança oncológica. Objetivou-se apreender as representações sociais dos técnicos de enfermagem sobre a avaliação da dor na criança oncológica.

MÉTODOS: Pesquisa qualitativa, utilizou como fundamentação a Teoria das Representações, coleta realizada no setor de cuidados oncológicos pediátricos, no mês de março de 2017.

RESULTADOS: Participaram do estudo seis técnicas de enfermagem, suas falas foram agrupadas, ocorreu categorização temática, a saber: a categoria 1. Percepção da dor na criança oncológica, apresentando duas subcategorias (métodos de avaliação da dor e protocolo institucional para avaliar a dor) e a categoria 2. Dificuldades para aplicação do método de avaliação da dor.

CONCLUSÃO: A avaliação da dor da criança oncológica é limitada pelas profissionais de enfermagem, que a realizam de forma empírica ou mesmo tocando e observando a alteração da face. Sem um instrumento de medida padronizado e validado, essa avaliação pode não ser fdedigna, mesmo entendendo que em parte deve-se ao processo de adaptação à realidade social que foi estabelecida no sistema de assistência.

Palavras-chave

Cuidados de enfermagem, Dor do câncer, Enfermagem oncológica, Oncologia

References

Rolim DS, Arboit EL, Kaefer CT, Marisco NS, Ely GZ, Arboit J. Produção científica de enfermeiros brasileiros sobre enfermagem e oncologia: revisão narrativa da literatura. Arq Cienc Saúde UNIPAR. 2019;23(1):41-7.

Santos MR, Wiegand DL, Sá NN, Misko MD, Szylit R. From hospitalization to grief: meanings parents assign to their relationships with pediatric oncology professional. Rev Esc Enferm USP. 2019;53.

Santos GFATF, Alves DR, Oliveira AMM, Dias KCCO, Costa BHS, Batista PSS. Cuidados paliativos em oncologia: vivência de enfermeiros ao cuidar de crianças em fase final da vida. Rev Fun Care Online. 2020;12:689-95.

Neves SJO, Prado P F. Contação de Histórias em Unidade Oncológica Pediátrica. Rev Bras Cancerol. 2018;64(3):383-7.

Díaz-Morales K, Reyes-Arvizu J, Morgado-Nájera K, Everardo-Domínguez D. Síntomas en niños con cáncer y estrategias de cuidado familiar. Rev Cuid. 2019;10(1):e597.

Silva TP, Silva LJ, Ferreira MJC, Silva ÍR, Rodrigues BMRD, Leite JL. Aspectos contextuais sobre o gerenciamento do cuidado de enfermagem à criança com dor oncológica crônica. Texto Contexto Enferm. 2018;27(3).

Santana JM, Perissinotti DMN, Oliveira Junior JO, Correia LMF, Oliveira CM, Fonseca PRB. Definição de dor revisada após quatro décadas. BrJP. 2020;3(3):197-8.

Sousa KN, Souza PC. Representação social: Uma revisão teórica da abordagem. Research, Society and Development. 2021;10(6).

Bertoni LM, Galinkin AL. Teoria e métodos em representações sociais. Notas teórico-metodológicas de pesquisas em educação: concepções e trajetórias [online]. 2017:101-22.

Araújo EM, Vieira VMO, Borges HV. A experiência de vida como um sistema dinâmico e aberto: um diálogo entre Merleau-Ponty e Moscovici. Braz J Develop. 2021;7(8):85367-94.

Enhancing the QUAlity and Transparency of health Research (EQUATOR Network) [Internet]. 2019.

Martins EC, Viana CVA. Representação da infância e representatividade infante: posições ético-políticas. Psicol Clin. 2020;32(1):151-72.

Wakiuchi J, Oliveira DC, Marcon SS, Oliveira MLF, Sales CA. Meanings and dimensions of cancer by sick people – a structural analysis of social representations. Rev Esc Enferm USP. 2020;54.

Bubadué RM, Cabral IE, Carnevale F, Asensi FD. Análise normativa sobre a voz da criança na legislação brasileira de proteção à infância. Rev Gaúcha Enferm. 2016;37(4).

Wakiuchi J, Marcon SS, Oliveira DC, Sales CA. A quimioterapia sob a ótica da pessoa com câncer: uma análise estrutural. Texto Contexto Enferm. 2019;28.

Franco LF, Bonelli MA, Wernet M, Barbieri MC, Dupas G. Patient safety: perception of family members of hospitalized children. Rev Bras Enferm. 2020;73(5).

Ferraz SCS, Rocha PK, Tomazoni A, Waterkemper R, Schoeller SD, Echevarría-Guanilo MEC. Uso das tecnologias de enfermagem para uma assistência segura no perioperatório pediátrico. Rev Gaúcha Enferm. 2020;41.

Silva RC, Ferreira MA, Apostolidis T. Ser enfermeira intensivista: elementos identitários presentes no campo das representações sociais. Rev Enferm UERJ. 2018;26.

Manzo BF, Brasil CLGB, Reis FFT, Correa AR, Simão DAS, Costa ACL. Segurança na administração de medicamentos: investigação sobre a prática de enfermagem e circunstâncias de erros. Enferm Glob. 2019;18(56):19-31.

Frías EL, Ruiz MAV, García CC. Clima ético y cultura de seguridad del paciente pediátrico en un hospital de especialidad del sureste de México. Horizonte Sanitario. 2019;18(2):201-10.


Submitted date:
02/05/2021

Accepted date:
11/19/2021

628598fca953956ad178ece3 brjp Articles

BrJP

Share this page
Page Sections