Brazilian Journal of Pain
https://brjp.org.br/article/doi/10.5935/2595-0118.20230085-en
Brazilian Journal of Pain
Editorial

Open Science principles in BrJP and the state of the art in other scientific journals on pain

Princípios da Ciência Aberta no BrJP e o estado da arte de outros periódicos científicos sobre dor

Juliana Barcellos de Souza

Downloads: 0
Views: 46


Although not recent, the principles of open science still represent a paradigm shift in scientific dissemination. The invitation of Open Science takes us from a closed publication process to a perspective of evaluation as a more transparent process, co-responsibility and the incentive to publish before assessment. Open Science’s approach is based on the IDEIA principles: Impact, Diversity, Equity, Inclusion and Accessibility, as opposed to the closed and private publication process, with blind peer review, long waiting periods for the publication of unpublished work (around 6 to 12 months in the evaluation process), in addition to articles often being available exclusively to subscribers and/or commercialized.
Science is understood as an enterprise of humanity that cooperates through the objective study of phenomena and shares peer-reviewed results of discoveries to provide systematic reflections and the opportunity to use these results for the benefit of nature and society. Open Science adds access to research (free online access to scientific publications) by publishing raw data (transparency of data and analysis), allows discussion between authors and peers in the unblinded evaluation process and speeds up access to unpublished research by publishing on preprint platforms, with all these steps adding value to the final article published in a scientific journal.
To understand Open Science, it is necessary to go beyond its definition and objectives. The movement gained momentum internationally in 2016, as a result of programs and articulations between the scientific community, funding bodies, public policies and government strategic plans encouraging its implementation. In 2014, the European Union launched an Open Science investment program, transferring innovative ideas from laboratories to the community. The coalition of funding agencies, in 2018, launched the S Plan, with the objective of making scientific publications resulting from research funded by public grants available on Open Access platforms by 2020, but this is not yet a reality in 2023. In an effort to foster and strengthen the movement, in 2021, the UNESCO recommendation for Open Science was approved by the governments of 193 countries. Among the recommendations is the defense of publicly funded research that respects the principles and basic values of Open Science.
The process of science transparency is also a benefit to scientific journals, but commercial interests still guide scientific dissemination. Despite the S Plan’s incentive to progressively migrate journals from private access to open access, by 2023, of the 1600 titles published by Wiley, only eight are in open access, and of the 2200 titles published by Elsevier, only seven are in open access.
Improving transparency and access to publications on the study and treatment of pain represents a direct benefit for future generations of both clinical researchers and patients. Increasing transparency and access to publications increases the dissemination of information and scientific evidence. However, open access publications in the field of pain treatment research are rare. In 2019, a group of researchers investigated the position of pain journals on open science. In general, the recommendations were still weak, and seven out of the top ten scientific journals on the topic of pain address some recommendation on Open Science editorial policies. It is interesting to note that, despite advocating open access, the article is published in private access.
In order to update the situation regarding access to scientific publications in the study and treatment of pain, a simple table investigating the data of some important journals in the same area of interest as BrJP was made. Table 1 shows that, in addition to limited access, most journals have an Article Processing Charge policy. Although equivalent on most topics, there are differences in editorial policies, such as the Journal of Pain and Symptom Management (Elsevier) describing itself as a “transformative journal” in the process of migrating to open access within the Plan S policies; the Journal of Pain (Elsevier) adopting the IDEIA principles and describing itself as a pioneer in adopting a checklist for authors, reviewers and editors with guidelines for promoting fairness and transparency; and the European Journal of Pain (Wiler), with its editorial policy encouraging data sharing. In addition to these three, Pain Medicine (Oxford Academic) also states that it accepts publications deposited in preprint repositories. Despite the non-systematic movement of large journals, there is a trend towards adaptations stimulated by international public policies. However, there are still some more conservative journals, such as Pain (Wolters Kluter), which states on its website that it does not provide Open Science Badges.

Journals’ editorial policies in light of open science recommendations:

Journals Multilingual Preprints Data sharing Author’s rights/ intellectual property Open access APC Charging a fee for publication
BrJP Portuguese/ English Accepts* Encourages* CC-BY Yes No
Journal of Pain English only Not mentioned Encourages CC-BY

CC-BY-NC-ND
 
Depends on the APC policy chosen by the authors Yes
Pain English only Not mentioned Encourages CC-BY

CC-BY-NC-ND
 
Depends on the APC policy chosen by the authors Yes
Journal of Pain and Symptom Management English only Accepts Not mentioned CC-BY

CC-BY-NC-ND
 
Depends on the APC policy chosen by the authors Yes
Pain Medicine English only Accepts Not mentioned CC-BY

CC-BY-NC

CC-BY-NC-ND
 
Depends on the APC policy chosen by the authors Yes
Clinical Journal of Pain English only Not mentioned Not mentioned CC-BY

CC-BY-NC-ND
 
Depends on the APC policy chosen by the authors Yes
European Journal of Pain English only Accepts Encourages CC-BY

CC-BY-NC-ND
 
Depends on the APC policy chosen by the authors Yes
Pain research and management Article in English, Abstract in French/English Accepts Encourages CC-BY Open Access Yes
APC = Article Publishing Charge. *Updated to January/2024.
Source: data extracted from the instructions to authors on the journals’ website in October/23.

 


Among the journals observed, only BrJP does not apply an APC policy, and it is the only one that does not involve costs for publishing the article in the journal. The cost of the publication process is usually high, and is paid by the authors or by private or governmental funding institutions. There is a tendency among APC journals to make publications available in open access, but this choice usually involves a higher cost for authors. The high APC criterion may represent a significant information bias in favor of countries with more financial/material resources. High APC values can be considered a “natural selection”, impacting on the publication of scientific work by institutions and governments with fewer resources. The financial barrier (also known as a paywall) prevents access to knowledge and scientific dissemination by groups with less funding and, in some cases, double payment is applied, whereby institutions/governments finance APC fees for publication and have to pay again to provide their scientific community access to the journal. The incidence of these costs in some socio-educational realities makes the research process itself unfeasible.
In general, Open Science envisions that publications and access should be free of funding. Realistically, during the event celebrating its 25th anniversary, RedeSCIELO discussed the importance of financial resources to enable the sustainability of some journals with the publication of the Declaração sobre o uso de Contribuições ao Custeio de Publicações (Declaration on the use of Contributions to the Cost of Publications - CCP). In the specific case of BrJP, the authors do not pay to submit, publish or translate their articles; the costs are an investment by the SBED (Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor - Brazilian Society for the Study of Pain) for the dissemination of quality and accessible scientific information on the treatment and study of pain.
BrJP is in the process of being updated using the Open Science emblem, in partnership with and under the guidance of the Scielo Network team. Among the changes, authors must complete and submit the Open Science compliance form with the original text. In this form, authors are asked to inform: (a) whether the text is a preprint and, if so, its location; (b) whether data, program codes and other materials underlying the original text are properly cited and referenced; and, (c) whether they accept options of openness in the peer review process.
Preprints are a strategy to speed up dissemination, as they allow full original texts to be published on secure platforms that guarantee authorship, before and in parallel to submission to a journal. While the original text awaits the journal’s peer reviews, it advances in its improvement through the reviews and comments received by peers directly on the preprint deposit platform. To be reliable, the platform needs to have a transparent moderation policy, offer a DOI for submitted preprints, allow changes to the preprint version, comments and community evaluation, as well as endorsement from researchers and interoperability with other services and platforms. Only submissions of work previously deposited on public server platforms that meet these characteristics of reliability and transparency will be accepted. The public platforms Preprints, Scielo Preprints and EmeRI are recommended for open discussion before approval and publication in the journal. If the article is accepted and published in BrJP, it is the responsibility of the authors to update the registration in the preprint server, informing the full reference of the publication in the journal.
Sharing the raw data is a transparency practice and endorses the authors’ results, guaranteeing to the scientific community that their raw data has the results presented. As a good practice, following Open Science to ensure security and transparency, the BrJP encourages the “sharing of data, codes, methods and other materials used and resulting from research that generally underlie the texts of articles published by journals”. The BrJP is organizing the structure of its data repository, possibly together with the Scielo Data repository storage.
Peer review is considered a co-construction for the improvement of the original text. The article is a partnership between the journal, the associate editor, editor-in-charge, reviewers and authors. The merit and content of the original text is evaluated by the Editor-in-Chief, Managing Editor and at least two ad hoc evaluators/reviewers from units other than the one where the work originated. Evaluations and new versions of the article are exchanged between the Editor-in-Chief and the authors. If both parties (authors and reviewers) are interested, dialogue with the reviewers will be allowed. When approved, the name of the Editor-in-charge of the original text will be indicated and published in the final article. The BrJP encourages the publication of reviews (when both parties agree).
All these changes are recent at the BrJP and it will be a team effort to adjust the processes and adapt the journal to the Open Science principles. We count on the partnership of all those involved in the process to be able to accompany this movement for disclosure and transparency in the scientific process of treatment and study of pain. Despite the global impact of the Open Science movement, within the scope of BrJP we can consider ourselves pioneers and highlight the partnership of the SciELO Network in this process. Quality scientific dissemination in the study and treatment of pain is still timid in the world of Open Science.

Resumo

Apesar de não ser recente, os princípios da ciência aberta ainda representam uma quebra de paradigma à divulgação científica. O convite da Ciência Aberta nos transporta de um processo de publicação fechado para uma perspectiva da avaliação como um processo mais transparente, corresponsabilidade e o incentivo a publicar antes de avaliar. A Ciência Aberta tem sua abordagem fundamentada nos princípios IDEIA: Impacto, Diversidade, Equidade, Inclusão e Acessibilidade, ao contrário do processo de publicação fechado e privado, com avaliação dos pares de forma cega, longos períodos de espera para publicação de trabalhos inéditos (em torno de 6 a 12 meses no processo de avaliação), além de muitas vezes os artigos estarem disponíveis ao acesso exclusivo a assinantes e/ou comercializados. 
A Ciência é compreendida como um empreendimento da humanidade que coopera através do estudo objetivo de fenômenos e compartilha resultados de descobertas avaliados por pares para fornecer reflexões sistemáticas e oportunidade de utilizar esses resultados em prol da natureza, da sociedade. A Ciência Aberta acrescenta o acesso à pesquisa (acesso livre online das publicações científicas) pela publicação dos dados brutos (transparência dos dados e análises), permite discussão entre os autores e os pares no processo de avaliação não cegado e acelera o acesso a pesquisas inéditas pela publicação em plataformas de preprint, com todas estas etapas agregando valor ao artigo final publicado em um periódico científico. 
Para compreender a Ciência Aberta é preciso ir além de sua definição e de seus objetivos. O movimento ganhou força internacionalmente em 2016, pelo resultado de programas e articulações entre a comunidade científica, organismos financiadores, políticas públicas e planos estratégicos governamentais incentivando sua implementação. Em 2014, a União Europeia lança um programa de investimento pela Ciência Aberta, transferindo ideias inovadoras dos laboratórios à comunidade. A coalizão de agências de fomento, em 2018, com lançamento do Plano S, que tinha como objetivo de até 2020 disponibilizar em plataformas de Acesso Aberto as publicações científicas resultantes de pesquisas financiadas por subvenções públicas, ainda não é uma realidade em 2023. Em busca de fomentar e fortalecer o movimento, em 2021, a recomendação da UNESCO pela Ciência Aberta é aprovada pelos governos de 193 países, entre as recomendações está a defesa de pesquisas financiadas com fundos públicos que respeitem os princípios e os valores fundamentais da Ciência Aberta. 
Os periódicos científicos também são uma das partes interessadas no processo de transparência da ciência, porém interesses comercias ainda norteiam a divulgação científica. Apesar do incentivo do Plano S para migrar progressivamente os periódicos de acesso privado ao acesso livre, em 2023, dos 1600 da editora Wiley apenas oito estão em acesso aberto, e, dos 2200 títulos da editora Elsevier, apenas sete encontram-se em acesso aberto.
Melhorar a transparência e o acesso às publicações sobre estudo e tratamento da dor representa um benefício direto para as gerações futuras tanto de pesquisadores clínicos quanto pacientes. Aumentar a transparência e o acesso às publicações aumenta a difusão da informação e da evidência científica. Entretanto, são raras as publicações em acesso aberto na área da pesquisa sobre o tratamento da dor. Em 2019, um grupo de pesquisadores investigou o posicionamento de jornais de dor sobre a ciência aberta. De modo geral, as recomendações ainda eram fracas, e sete entre os dez principais jornais científicos sobre o tema dor abordam alguma recomendação sobre políticas editoriais de Ciência Aberta. É interessante notar que, apesar de defender o acesso aberto, o artigo está publicado em acesso privado. 
Para atualizar a situação do acesso às publicações científicas no estudo e tratamento da dor, foi feito um quadro de investigação simples dos dados de alguns periódicos de impacto na mesma área de interesse do BrJP.  Na tabela 1, observa-se que, além do acesso limitado, a maioria dos periódicos tem política de Article Processing Charge. Apesar de equivalentes na maioria dos tópicos, há diferenças nas políticas editorias, como o Journal of Pain and Symptom Management (Elseiver) descrevendo-se como um “transformative journal” em vias de migração para acesso livre dentro das políticas do Plano S; o Journal of Pain (Elsevier) adotando os princípios IDEIA e descrevendo-se como pioneiro ao adotar um checklist para autores, revisores e editores com diretrizes para promoção de equidade e transparência; e o European Journal of Pain (Wiler), com sua política editorai estimulando o compartilhamento de dados. Além desses três, o Pain Medicine (Oxford Academic) também declara aceitar publicações depositadas em repositórios de preprints. Apesar do movimento não sistemático de grandes periódicos, observa-se a tendência para adaptações estimuladas por políticas públicas internacionais. Contudo, há ainda alguns periódicos mais conservadores, como o periódico Pain (Wolters Kluter) que declara  em seu site não fornecer emblema de Ciência Aberta [PAIN does not provide Open Science Badges].

Tabela 1. Políticas editoriais dos periódicos diante das recomendações da ciência aberta

Periódicos Multilíngue Preprints Compartilhamento de dados Direito do autor/propriedade intelectual Acesso aberto APC Cobrança de taxa para publicação
BrJP Portuguese/inglês Aceita* Encoraja* CC-BY Sim Não
Journal of Pain Somente inglês Não menciona Encoraja CC-BY

CC-BY-NC-ND
 
Depende da política APC escolhida pelos autores Sim
Pain Somente inglês Não menciona Encoraja CC-BY

CC-BY-NC-ND
 
Depende da política APC escolhida pelos autores Sim
Journal of Pain and Symptom Management Somente inglês Aceita Não menciona CC-BY

CC-BY-NC-ND
 
Depende da política APC escolhida pelos autores Sim
Pain Medicine Somente inglês Aceita Não menciona CC-BY

CC-BY-NC

CC-BY-NC-ND
 
Depende da política APC escolhida pelos autores Sim
Clinical Journal of Pain Somente inglês Não menciona Não menciona CC-BY

CC-BY-NC-ND
 
Depende da política APC escolhida pelos autores Sim
European Journal of Pain Somente inglês Aceita Encoraja CC-BY

CC-BY-NC-ND
 
Depende da política APC escolhida pelos autores Sim
Pain research and management Artigo em inglês, Resumo em Francês/Inglês Aceita Encoraja CC-BY Open Access Sim

APC = Article Publishing Charge.  *Atualizações para janeiro/2024. 
Fonte: dados extraídos das instruções aos autores, na página dos periódicos em outubro/23.

Dentre os periódicos observados, apenas o BrJP não aplica política de APC, sendo o único a não envolver custos para a publicação do artigo no periódico. O custo para o processo das publicações costuma ser elevado, e são valores pagos pelos autores, por instituições de fomento privadas ou governamentais. Observa-se tendência entre os periódicos com APC para a possibilidade de disponibilizar as publicações em acesso aberto, porém essa escolha geralmente envolve um custo mais elevado aos autores. O critério de APC com custo elevado pode representar um viés significativo de informação em prol de países com mais recurso financeiro/material. Os elevados valores de APC podem ser considerados uma “seleção natural” impactante às publicações de trabalhos científicos de instituições e governos com menor recursos. A barreira financeira (também conhecida como paywall) impede o acesso ao conhecimento, à divulgação científica de grupos com menor financiamento, e, em algumas instâncias, aplica-se duplo pagamento, a partir do qual instituições/governos financiam as taxas de APC para publicação e precisam pagar novamente para disponibilizar à sua comunidade científica o acesso ao periódico. A incidência destes custos em algumas realidades socioeducacionais inviabiliza o próprio processo da pesquisa.
De modo geral, a Ciência Aberta idealiza que publicações e acesso sejam livres de financiamento. De forma realista, a RedeSCIELO discutiu durante o evento de comemoração dos seus 25 anos a importância de recursos financeiros para permitir a a sustentabilidade de alguns periódicos com a publicação da Declaração sobre o uso de Contribuições ao Custeio de Publicações (CCP). No caso específico do BrJP, os autores não pagam para submeter, publicar ou traduzir seus artigos, os custos são um investimento da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor pela divulgação cientifica de qualidade e acessível sobre os temas de tratamento e estudo da dor.
O BrJP está em processo de atualização pelo emblema da Ciência Aberta, em parceria e orientação da equipe da Rede Scielo. Entre as mudanças, os autores devem preencher e submeter, junto ao manuscrito, o formulário sobre conformidade com a Ciência Aberta. Neste formulário, os autores são solicitados a informar: (a) se o manuscrito é um preprint e, em caso positivo, sua localização; (b) se dados, códigos de programas e outros materiais subjacentes ao texto do manuscrito estão devidamente citados e referenciados; e, (c) se aceitam opções de abertura no processo de avaliação por pares. 
Os preprints consistem em uma estratégia para acelerar a divulgação, pois permitem a publicação de manuscritos completos em plataformas seguras, que garantem autoria, antes e em paralelo à submissão a um periódico. Enquanto o manuscrito aguarda as avaliações dos pares do periódico, o manuscrito avança em seu aprimoramento pelas avaliações e comentários recebidos pelos pares diretamente na plataforma de depósito de preprint. Para ser confiável, a plataforma precisa ter sua política de moderação transparente, oferecer DOI aos preprints submetidos, permitir alterações na versão do preprint, comentários e avaliação da comunidade com endosso de pesquisadores e interoperabilidade com outros serviços e plataformas. Serão aceitas somente submissões de trabalhos previamente depositados em plataformas públicas de servidores que atendam essas características de confiabilidade e transparência. Recomenda-se as plataformas públicas Preprints, Scielo Preprints e EmeRI para discussão aberta antes da aprovação e publicação no periódico. No caso de aceitação e publicação do artigo no BrJP, é de responsabilidade dos autores atualizar o registro no servidor preprint, informando a referência completa da publicação na revista.
O compartilhamento dos dados brutos é um prática de transparência e endossa os resultados dos autores, garantindo perante à comunidade científica que seus dados brutos tem aqueles resultados apresentados. Como uma boa prática, seguindo a Ciência Aberta para garantir segurança e transparência, o BrJP incentiva o “compartilhamento dos dados, códigos, métodos e outros materiais utilizados e resultantes das pesquisas que geralmente ficam subjacentes nos textos dos artigos publicados pelos periódicos”. O BrJP está se organizando para estruturar o seu repositório de dados, possivelmente junto ao armazenamento de repositório Scielo Data.
A avaliação dos pares é considerada uma construção conjunta pelo aprimoramento do manuscrito. O artigo é uma parceria entre a revista, o editor associado, editor responsável, revisores e autores. A análise de mérito e conteúdo do manuscrito passa pela avaliação do Editor-Chefe, Editor-Responsável e por no mínimo dois avaliadores/revisores ad hoc de unidades distintas à de origem do trabalho. As avaliações e as novas versões do artigo são trocadas entre Editor-Responsável e autores. Será permitida a abertura para diálogo com os avaliadores caso ambas parte tenham interesse (autores e revisores). Quando aprovado, o nome do Editor-Responsável pelo processo de tramitação do manuscrito será indicado e publicado no artigo final. O BrJP encoraja a publicação dos pareceres (quando ambas partes estiverem de acordo). 
Todas essas alterações são recentes no BrJP e será um trabalho de equipe para ajustar os processos e adaptar o periódico aos princípios Ciência Aberta. Contamos com a parceria de todos os envolvidos no processo para poder acompanhar esse movimento de divulgação e transparência no processo científico no tratamento e estudo da dor. Apesar do impacto mundial do movimento pela Ciência Aberta, no escopo do BrJP podemos nos considerar pioneiros e destacar a parceria da Rede SciELO nesse processo. A divulgação científica de qualidade no estudo e tratamento da dor ainda é tímida no universo da Ciência Aberta.

References

1 SciELO Declaração em Apoio à Ciência Aberta com IDEIA. https://25.scielo.org/declaracao-ideia/ [Acesso em 10 outubro 2023].

2 Fio Cruz Campus Virtual. Panorama histórico da Ciência Aberta. Formação modular sobre ciência aberta. Série 1/Curso 2. Link https://cursos.campusvirtual.fiocruz.br/ [Acesso em 10 outubro 2023].

3 Plan S. Making full and immediate Open Access a reality. https://www.coalition-s.org/ [Acesso em 10 outubro 2023]

4 UNESCO. Ciencia aberta Unesco. 2022. https://doi.org/10.54677/XFFX3334. Link: http://www.unesdoc.unesco.org/in/rest/annotationSVC/DownloadWatermarkedAttachment/attach_import_b0511667-6e00-4d64-8b8c-16f192bd25c3?_=379949por.pdf&to=36&from=1 [Acesso em 10 outubro 2023].

5 Cashin AG, Bagg MK, Richards GC, Toomey E, McAuley JH, Lee H. Limited engagement with transparent and open science standards in the policies of pain journals: a cross-sectional evaluation. BMJ Evid Based Med. 2021;26(6):313-9.

6 SciELO. Declaração sobre o uso de Contribuições ao Custeio de Publicações (CCPs) na Rede SciELO. Conferência SciELO 25 anos, São Paulo. Versão preliminar 14 de setembro, 2023. Link: https://25.scielo.org/#26 [Acesso em 10 outubro 2023].
 

65a6ddd5a953957854372eb3 brjp Articles

BrJP

Share this page
Page Sections