Brazilian Journal of Pain
https://brjp.org.br/article/doi/10.5935/2595-0118.20200191
Brazilian Journal of Pain
Editorial

Revised definition of pain after four decades

Definição de dor revisada após quatro décadas

Josimari Melo DeSantana; Dirce Maria Navas Perissinotti; José Oswaldo de Oliveira Junior; Luci Mara França Correia; Célia Maria de Oliveira; Paulo Renato Barreiros da Fonseca

Downloads: 1
Views: 502


The revision of the International Association for the Study of Pain defines pain as “an unpleasant sensory and emotional experience associated with, or resembling that associated with, actual or potential tissue damage”.

Dated from 1979, the first definition recommended by the Subcommittee on Taxonomy and adopted by the IASP Council conceptualized pain as “an unpleasant sensory and emotional experience associated with actual or potential tissue damage, or described in terms of such damage”. This definition was widely accepted by health professionals and researchers of the field and adopted by several professional organizations, governmental or not, including the World Health Organization (WHO).

Over the course of 41 years, the comprehension of the pain phenomenon went through revolutionary changes, including very important publications on its definition and classification, specially in the last decade. In the past, a dichotomous view considered pain only as nociceptive or neuropathic, which excluded other conditions, such as fibromyalgia. In 2016 a third descriptor appeared, nociplastic pain, improving the classification of other painful conditions.

In 2019 another issue of concept and classification was resolved when chronic pain was included in the International Classification of Diseases (ICD). This demand resulted from the joint action of IASP and WHO Task Forces. Currently, pain is included in the ICD-11 with 7 sub-categories, 1 primary and 6 secondary.

Recently, some professionals and researchers of the field of pain argued that the progress in the understanding of pain justified a reevaluation of the definition, presenting proposals of modification, strong opinions in favor or opposing to the need for a revision and, therefore, discussing modifications through the last few years. Due to the continuous and consistent advances in knowledge about pain and its mechanisms, pain terminology must also be modified and adjusted. Therefore, in 2018, IASP called for a multinational Presidential Task Force composed of14 professionals with extensive experience in pain-related clinical and/or basic science to evaluate the current definition and its explanatory notes and recommend whether such a definition should be maintained or changed.

The revision offers summary of the critical concepts, commentary analysis of the IASP members and the public, as well as the final recommendations of the committee on the definition revision and the notes that were discussed for two years. Finally, the Task Force recommended a revised definition of pain in the beginning of 2020.

The board of the Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor (SBED - Brazilian Society for the Study of Pain) published not only the official translation into Portuguese of the revised definition and its notes, but also the entire article, considering the semantic and linguistic aspects for the Portuguese language and Brazilian context. The necessary steps for the official translation of this definition of pain and its complementary notes into Portuguese were carried out, in order to ensure that the Brazilian population had wide access to a uniform discourse in their native idiom.

Initially, the article was completely translated by a language professional specialized in Portuguese and English. Next, a review and discussion of the translation was brought forward by members of the board, clinicians and/or researchers on the field of pain with, at least, 15 years of experience. The individual reviews were shared and specifically analyzed in online real time remote meetings, followed by a second phase of review until a consensus was reached.

The definition revised in 2020, conceptualizing pain as “an unpleasant sensory and emotional experience associated with, or resembling that associated with, actual or potential tissue damage”, presented an unambiguous and concise formulation, easily translatable to other languages; comprising the most varied experiences of pain, its diversity and complexity, being valid for acute pain as well as chronic pain; applicable in all conditions of pain, from humans to animals and, most importantly, defined by the perspective of the person who is in pain.

The definition is complemented by 6 explanatory notes that come to be a list of items that include etymology: 1. Pain is always a personal experience that is influenced, to varying degrees, by biological, psychological and social factors. 2. Pain and nociception are different phenomena. Pain cannot be determined exclusively by the activity of sensitive neurons. 3. through their life experiences, people learn the concept of pain. 4. A person’s account of an experience of pain should be respected. 5 Although pain usually plays an adaptive role, it can have adverse effects on function as well as social and psychological well-being. 6. Verbal description is only one of several behaviors that may express pain; the inability to communicate does not invalidate the possibility of a human or animal to feel pain.

These explanatory notes complement the definition of pain, recognizing, but not being restricted to, advances in knowledge based on the modern neuroscience of pain, also incorporating other relevant factors such as cognition, behaviors, as well as cultural and educational factors.

At the end of the explanatory notes, etymological information on the origin of the word pain is presented: 1. from Middle English, Anglo-French peine (pain, suffering), 2. from Latin poena(sentence, punishment) and 3. From the Greek poin-e (payment, penalty, reward).

A definition provides comprehension, concept, or common idea about a determined word. The definition of the word generates the possibility of acknowledgment, value, signification and its objective is to direct a specific discussion on all related subjects and must only be rejected in the case of an explicit or implicit logical contradiction. This type of definition is supposed to be used for as long as it serves its work purpose, therefore it is, in essence, temporary. This revised definition of pain is timely and in line with all IASP’s current efforts to advance ontological structures of pain, and this editorial does not intent to interpret or judge this revision. All of the facts that occurred in the process executed by the Task Force were exposed in the IASP publication, as well as the narration of the reiterated discussions and interpretations made by the members and their consultants.

Instead, the IASP’s initiative should be valued by understanding the changes in the scenario of pain and welcoming the eagerness of the scientific and professional community for the need of reevaluation, as well as the effort and dedication of the Task Force members in developing a process for reviewing the definition of pain according to epistemological, ontological and practical dimensions, whose steps were conducted in a socially responsible, democratic, participatory, transparent and scientific method-based manner.

A uniform and widely known terminology in the field of pain that communicates information about patients and their pain is important to determine basic terms of pain and the classification of their syndromes and clinical conditions, which has been the constant focus of several IASP committees. Thus, the proposed definition creates a common understanding of the term “pain” for health professionals, researchers and people with pain all around the globe, also providing a base for researches in the field, with the objective of minimizing epistemological mistakes, and influencing public health politics, which tend to provide improvement in health care. As the Task Force itself recommended, this revised definition of pain published through a narrative review is a living document to be updated in line with the future progress of the field.

Yours sincerely,

Diretoria da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor (SBED) - Gestão 2020-2021

Resumo

A definição revisada pela Associação Internacional para o Estudo da Dor (IASP) conceitua a dor como “uma experiência sensitiva e emocional desagradável associada, ou semelhante àquela associada, a uma lesão tecidual real ou potencial”.

Datada de 1979, a primeira definição recomendada pelo Subcomitê de Taxonomia e adotada pelo Conselho da IASP conceituava a dor como “uma experiência sensitiva e emocional desagradável associada a uma lesão tecidual real ou potencial, ou descrita nos termos de tal lesão”. Essa definição foi amplamente aceita por profissionais da saúde e pesquisadores da área de dor e adotada por diversas organizações profissionais, governamentais e não-governamentais, incluindo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Ao longo de 41 anos, mudanças revolucionárias ocorreram na compreensão do fenômeno da dor, além de publicações muito importantes no que se refere a sua definição e classificação, especialmente na última década. Antigamente, uma visão dicotômica considerava a dor apenas como nociceptiva ou neuropática, fato que excluía outras condições, tal como a fibromialgia. Em 2016 surgiu um terceiro descritor, dor nociplástica, para melhor classificar outras condições dolorosas.

Em 2019 outra questão conceitual e de classificação foi resolvida, quando da inclusão da dor crônica na Classificação Internacional de Doenças (CID). Esta demanda foi resultante da ação conjunta de uma Força Tarefa da IASP e da OMS. Atualmente, a dor consta na CID-11 com 7 subcategorias, sendo 1 primária e 6 secundárias.

Recentemente, alguns profissionais e pesquisadores da área de dor argumentaram que os avanços no entendimento da dor justificavam uma reavaliação da definição, apresentando propostas de modificação, fortes opiniões em favor ou em oposição à necessidade de revisão e, portanto, propuseram modificações ao longo dos últimos anos. Como ocorrem avanços contínuos e consistentes quanto ao conhecimento sobre a dor e seus mecanismos, a terminologia da dor também deve ser modificada e ajustada.

Sendo assim, em 2018, a IASP convocou uma Força Tarefa Presidencial multinacional, composta por 14 profissionais com ampla experiência em ciência clínica e/ou básica relacionada à dor para avaliar a definição atual e suas notas explicativas e recomendar se tal definição deveria ser mantida ou alterada.

A revisão oferece uma sinopse dos conceitos críticos, análise dos comentários dos membros da IASP e do público, e as recomendações finais do comitê sobre as revisões da definição e das notas que foram discutidas por dois anos. Por fim, a Força Tarefa recomendou uma definição revisada de dor no início de 2020.

A Diretoria da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor (SBED) publicou a tradução oficial para a língua portuguesa não somente da definição revisada e suas notas, como também de todo o artigo na íntegra, considerando os aspectos semânticos e linguísticos para a língua portuguesa e contexto brasileiro. Executaram-se as etapas necessárias para a tradução oficial desta definição de dor e suas notas complementares para a língua portuguesa, no intuito de que nossa população brasileira tenha amplo acesso a uma linguagem uniforme e no idioma nativo.

Inicialmente, o artigo foi integralmente traduzido por profissional especialista em idioma e com formação em português-inglês. Posteriormente, uma etapa de revisão e discussão foi realizada pelos membros da diretoria, clínicos e/ou pesquisadores na área da dor com, pelo menos, 15 anos de experiência. As revisões individuais foram compartilhadas e pontualmente analisadas em reuniões remotas síncronas online, seguida por uma segunda etapa de revisão até ser obtido consenso sobre a tradução.

A definição revisada em 2020, ao conceituar a dor como “uma experiência sensitiva e emocional desagradável associada, ou semelhante àquela associada, a uma lesão tecidual real ou potencial”, apresentou enunciado conciso e inequívoco, de fácil tradução nos vários idiomas; abrangendo as mais variadas experiências de dor, sua diversidade e complexidade, sendo válida tanto para dor aguda como crônica; sendo aplicável a todas as condições de dor, a humanos e animais e, sobretudo, definida pela perspectiva da pessoa que sente a dor.

A definição é complementada por 6 notas explicativas que passam a ser uma lista com itens que incluem a etimologia: 1. A dor é sempre uma experiência pessoal que é influenciada, em graus variáveis, por fatores biológicos, psicológicos e sociais. 2. Dor e nocicepção são fenômenos diferentes. A dor não pode ser determinada exclusivamente pela atividade dos neurônios sensitivos. 3. Através das suas experiências de vida, as pessoas aprendem o conceito de dor. 4. O relato de uma pessoa sobre uma experiência de dor deve ser respeitado. 5. Embora a dor geralmente cumpra um papel adaptativo, ela pode ter efeitos adversos na função e no bem-estar social e psicológico. 6. A descrição verbal é apenas um dos vários comportamentos para expressar a dor; a incapacidade de comunicação não invalida a possibilidade de um ser humano ou um animal sentir dor.

Estas notas explicativas complementam a definição de dor, reconhecendo, mas não se restringindo a, os avanços nos conhecimentos pautados na moderna neurociência da dor, também incorporando outros fatores relevantes como cognição, comportamentos, fatores culturais e educacionais.

Ainda, ao final das notas explicativas são apresentadas as informações etimológicas sobre a origem da palavra dor: 1. Do inglês médio, do anglo-francês peine (dor, sofrimento), 2. Do latim poena (pena, punição) e 3. Do grego poin-e (pagamento, pena, recompensa). A conceituação fornece a compreensão, concepção ou ideia comum que se tem de uma palavra. A definição da palavra gera a possibilidade de reconhecimento, de valor, de significação e se destina a direcionar uma discussão específica sobre quaisquer assuntos relacionados e somente deve ser rejeitada se contiver uma contradição lógica explícita ou implícita. Esse tipo de definição pode ser usado enquanto servir bem para seu propósito de trabalho, portanto, é, em sua essência, temporária.

Esta definição revisada de dor é bastante oportuna e se alinha com todos os esforços atuais da IASP para o avanço de estruturas onto-lógicas da dor, e este editorial não se propõe a interpretar ou julgar a revisão. Todos os fatos decorridos no processo executado pela Força Tarefa foram expostos na publicação da IASP assim como a narração das reiteradas discussões e interpretações feitas pelos membros e seus consultores.

Ao invés disso, há que se valorizar a iniciativa da IASP ao compreender as mudanças no cenário da dor e acolher a ânsia da comunidade científica e profissional pela necessidade de reavaliação, assim como o esforço e dedicação dos membros da Força Tarefa ao desenvolverem um processo de revisão da definição de dor de acordo com dimensões epistemológicas, ontológicas e práticas, cujas etapas foram conduzidas de forma socialmente responsável, democrática, participativa, transparente e baseada no método científico.

Uma terminologia uniforme e amplamente conhecida na área de interesse da dor para comunicar informações sobre pacientes e suas dores se faz importante para determinar termos básicos de dor e a classificação de suas síndromes e condições clínicas, o que tem sido o foco constante de diversos comitês da IASP.

Assim, a definição proposta cria um entendimento comum do termo dor para profissionais de saúde, pesquisadores e pessoas com dor em todo o mundo, fornece base para pesquisas na área com o objetivo de minimizar erros epistemológicos e influencia políticas públicas de saúde, as quais tendem a prover melhora da assistência em saúde. Tal como a própria Força Tarefa recomendou, esta definição revisada de dor publicada por meio de uma revisão narrativa é um documento vivo a ser atualizado em consonância com o futuro progresso da área.

Atenciosamente,

Diretoria da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor (SBED) - Gestão 2020-2021

References

1 Raja SN, Carr DB, Cohen M, Finnerup NB, Flor H, Gibson S, et al. The revised International Association for the Study of Pain definition of pain: concepts, challenges, and compromises. Pain. 2020;23. doi: 10.1097/j.pain.0000000000001939. Online ahead of print. 

2 Kosek E, Cohen M, Baron R, Gebhart GF, Mico JA, Rice ASC, Rief W, Slu-ka KA. Do we need a third mechanistic descriptor for chronic pain states? Pain. 2016;157(7):1382-6.

3 Treede RD, Rief W, Barke A, Aziz Q, Bennett MI, Benoliel R, et al. A classification of chronic pain for ICD-11. Pain. 2015;156(6):1003-7.

4 Williams ACC, Craig KD. Updating the definition of pain. Pain. 2016;157(11):2420-3.

5 Cohen M, Quintner J, van Rysewyk S. Reconsidering the International Association for the Study of Pain definition of pain. Pain Rep. 20185;3(2):e634.

6 https://sbed.org.br/wp-content/uploads/2020/08/Defini%C3%A7%C3%A3o-revi-sada-de-dor_3.pdf 

7 Jornal Dor (Publicação da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor - Ano XVIII - 2° Trimestre de 2020 - edição 74, 11-8. 

5f6a520d0e882549799fefc6 brjp Articles

BrJP

Share this page
Page Sections